Indique o site Adicione a favoritos Carrinho de compras
KaemeBrasil  

Home | Quem somos | Cursos Descontos Progressivos | Palestras Gratuitas | Artigos | Cadastre-se | Depoimentos | Contato
fale_conosco
Curso em DVD - Técinas de Swing Trade
Curso em DVD - Técinas de Swing Trade
Curso em DVD - Técinas de Swing Trade
Curso em DVD - Técinas de Swing Trade
Curso em DVD - Técinas de Swing Trade
Curso em DVD - Técinas de Swing Trade
Curso em DVD 20 ESTRATÉGIAS VENCEDORAS na Bolsa de Valores Aprenda a identificar as melhores oportunidades do mercado utilizando a Análise Gráfica
Curso em DVD Técnicas de DAY TRADE Aprenda como lucrar todos os dias no Mercado de Ações. Um curso para quem quer saber mais sobre o mais agressivo método de investimento.
Curso em DVD Aprenda a investir em açoes - Utilizando a análise gráfica - Curso como investir na bolsa de valores aplicar em ações da bolsa de valores Curso em DVD Investimento em açoes da Bolsa de Valores aplicação bolsa valores aprndera a plicar na bolsa de valores
Curso em DVD - Operando na bolsa com a Análise Técnica
Curso em DVD - Aprenda a Operar Opções
Curso em DVD - Investindo na Bolsa de Vaores Através da Análise Fundamentalista
Curso em DVD - Introdução ao Mercado de  Ações
Curso Presencial Aprenda a investir em açoes - Utilizando a análise gráfica - Curso de análise técnica de ações Aprender a investir em açoes Aplicar em açoes investimento em açoes Curso de como investir em ações como aplicar em açoes da Bolsa de Valores Curso de Analise tecnica de açoes curso análise gráfica de ações para aprender
Palestras Gratuitas
Seja um instrutor

Home » Artigos

Fundo, clube de investimento ou carteira administrada: qual combina com seu perfil? - KaemeBrasil - Aprenda a investir em ações
Fundo, clube de investimento ou carteira administrada: qual combina com seu perfil?

03/08/2010

SÃO PAULO - São muitas as opções disponíveis para quem tem um dinheirinho sobrando mas não sabe aonde investir Essa é uma dúvida bastante comum não apenas entre os novatos no mercado financeiro, mas até mesmo entre quem já está acostumado a fazer aplicações e fica de olho nas melhores alternativas de investimento.

InfoMoney

No entanto, antes de sair investindo em tudo aquilo que o mercado diz que está proporcionando bons retornos, é bastante importante que o investidor faça uma análise de suas necessidades, a fim de encontrar uma opção de investimento que realmente irá atender aos seus objetivos.

Os fundos de investimento, as carteiras administradas e os clubes de investimento são algumas alternativas comuns oferecidas por bancos e corretoras. Mas, antes de aplicar dinheiro nestas opções, saiba que cada uma delas é mais indicada a um perfil específico de investidor. 

Para quem tem maior volume de recursos e menos tempo disponível
Se você é um investidor com um volume considerável de recursos para investir, mas não possui tempo ábil para monitorar seus investimentos no mercado de forma regular, uma boa opção são as carteiras administradas. O investimento varia de corretora para corretora e de banco para banco, mas, em geral, o mínimo vai de R$ 300 mil a R$ 1 milhão.

A facilidade oferecida por essa opção de investimento é o que mais chama atenção dos investidores. "Por ser um volume de recursos mais elevado, o investimento nas carteiras administradas é monitorado de perto. Geralmente, a pessoa que investe nas carteiras não tem muito tempo de acompanhar o mercado, por isso, gosta da facilidade oferecida", disse  a gerente de renda variável da Geração Futuro, Ana Clara Monteiro Rodrigues, explicando que ao final de cada dia, o investidor das carteiras administradas pela Geração recebe uma espécie de extrato contendo detalhadamente a movimentação realizada com seus recursos, as variações diárias e acumuladas, o rendimento, bem como a comparação de desempenho com índices da preferência do próprio investidor.

"Isso faz com que ele se sinta bastante confortável com seu investimento, principalmente por que a quantia que se trata é bastante elevada", completa Ana. A especialista explica, porém, que existem três formas para administrar essas carteiras. Na primeira delas, a menos comum, é quando o cliente é o próprio gestor. Mas, as duas opções mais procuradas são a gestão dos recursos mista - quando a própria corretora ou banco movimenta o investimento, consultando regularmente o investidor sobre suas preferências - e a gestão feita exclusivamente pelas corretoras e bancos. "Normalmente ele (o investidor das carteiras administradas) quer que o escritório faça a gestão do investimento", revela Ana.

Para este perfil de investidor, outro ponto positivo das carteiras administradas é que, por conta da grande quantia envolvida na operação, existe uma liberdade maior de diversificação dos investimentos, o que aumenta as possibilidades de ganhos. "Dependendo da quantia que o investidor possui, nós conseguimos alocar uma parte na renda fixa, outra parte em ações defensivas, outra parte em ações blue chips, outra parte em oportunidades do mercado. É importante definir um plano baseado em segurança, liquidez e rentabilidade", destacou a operadora da C&D Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários, Roseli de Fátima Chiumento.

Mas, se esta opção de investimento combinou com seu perfil, fique atento às taxas. Em média, as corretoras e bancos cobram entre 2% e 5% anuais para administrar as carteiras. Esses números podem até parecer pequenos, mas, avaliando os valores envolvidos, eles representam montantes consideráveis. Por isso, uma vez realizado seu investimento, é sempre importante acompanhar a rentabilidade de sua carteira administrada.

Para quem tem menos recursos e mais familiaridade com o mercado
Se você é um investidor que possui um volume de recursos mais reduzido, mas que tem uma maior familiaridade com o mercado financeiro, então, a opção mais indicada é o fundo de investimento. Atualmente existem diversas de opções de fundos para investir, atraentes para aqueles investidores que já investem individualmente, mas desejam ampliar seus ganhos no médio e longo prazos. 

De forma geral, os fundos funcionam como um condomínio de investidores, já que, como no caso do condomínio de um apartamento, os condôminos (ou investidores) centralizam a administração do edifício (ou carteira do fundo) na figura do síndico (ou gestor do fundo). Em um fundo de investimento, o gestor do fundo aplica os recursos dos investidores (patrimônio do fundo) de forma a maximizar o retorno e minimizar o risco da carteira do fundo.

Além do seu apetite por risco, é importante saber a quantia que você dispõe para aplicar. De forma geral, para valores abaixo de R$ 10 mil é indicado que a pessoa aplique num fundo de ações devido à menor capacidade de diversificar o risco, pois não é possível comprar papéis de empresas em número suficiente para minimizar a exposição ao risco de cada companhia.

A principal vantagem dos fundos é que, por possuírem um patrimônio líquido maior que o do investidor isolado, podem aplicar em diversos ativos ao mesmo tempo, reduzindo o risco da carteira. Outra vantagem dos fundos é que o investidor, ou cotista do fundo, não precisa se aprofundar muito no assunto para aproveitar o mercado de ações, confiando suas decisões para os especialistas de mercado.

"O investidor que aplica nos fundos de investimento, geralmente, já conhece o mercado. Mas, mesmo que ele não conheça e seja um novato no mercado financeiro, ele pode aderir à essa opção", revela Roseli. A operadora da C&D explica que, como os fundos são geridos pelas corretoras, os investidores menos experientes conseguem obter ganhos enquanto "aprimoram suas análises de investimento".

Para quem deseja investir em família ou com amigos
Para você que não possui muito dinheiro sobrando, mesmo assim quer investir no mercado para tentar multiplicar suas cifras, além disso, sabe que existem amigos e familiares na mesma situação que você, este é o perfil de investidor ideal para os clubes de investimento. "Os clubes são uma espécie de fundo mais exclusivo, geralmente formado por famílias que pretendem garantir um dinheirinho para o futuro", contextualiza a gerente de renda variável da Geração Futuro, Ana Rodrigues.

Ana explica que a vantagem de se escolher esta opção de investimento é exclusividade. "A corretora vai sentar com os cotistas e montar uma carteira na qual todos estejam satisfeitos", disse. De acordo com Roseli, a operadora da C&D, o perfil de investidor que adere aos clubes de investimento é semelhante ao que opta pelas carteiras administradas, porém, neste caso, ele vem acompanhado por amigos e família.

"Existem muitas pessoas que abrem um clube de investimento com a mãe, o pai, o irmão. São pessoas que aprendem a investir juntos, participam ativamente nas decisões de investimento tomadas e querem cuidar da carteira do clube, afinal está ali um dinheiro para ser usado no futuro", avalia Ana. É importante ressaltar, porém, que para abrir um clube de investimento são necessários, no mínimo, três cotistas, sendo que o valor inicial de investimento, apesar de variar de corretora para corretora, é em média de R$ 300 mil.

Os últimos dados disponibilizados pela BM&F Bovespa mostram que esta opção de investimento tem crescido bastante nos últimos anos e a cada mês mais clubes são abertos na bolsa paulista. Para se ter uma ideia, em janeiro de 2006 havia 1.354 clubes de investimento em atividade na BM&F Bovespa, sendo que apenas naquele mês 39 novos clubes foram abertos. Já em maio de 2010, 55 clubes foram criados no mercado, totalizando 3.103 clubes ao todo, que são responsáveis por um patrimônio líquido total de R$ 12,9 bilhões.

«Ver todos


Home | Quem somos | Cursos | Palestras Gratuitas | Artigos | Cadastre-se | Mapa do site | Como Comprar | Contato
 
  by studio2

® 2010 - KaemeBrasil
A KaemeBrasil não se responsabiliza pelas informações contidas neste site e não faz qualquer tipo de recomendação
de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

contato@kaemebrasil.com.br